Summer in the city: onde nadar em Berlim

Depois do mapa dos bares, hamburguerias e mercados de natal, o pessoal do VisitBerlin lançou uma vers

Mapa para nadar, feito pela equipe do VisitBerlin
Mapa para nadar, feito pela equipe do VisitBerlin – Berlin Swimming Map © visitBerlin

 

De acordo com a previs

Como a Alemanha peca na infraestrutura para o calor, o que resta mesmo é ir pra água. Infelizmente, há mais procura do que oferta, por isso, é importante se organizar e chegar sempre cedo para evitar filas desanimadoras.

Filinha em Wannsee
Filinha em Wannsee

Para baixar o mapa em alta resolu

Confere um post mais antigo com algumas sugestões para nadar em Berlim.

Viel Spaß!

 

Casamento na Alemanha – Pequeno manual de etiqueta

Estive em um casamento semana passada e tive a ideia de escrever um pequeno texto para ajudar quem vai a um em breve ou pensa em casar na Alemanha. Diferente do Brasil, os casamentos na Alemanha tendem a ser mais simples e informais e não ocorrem com tanta frequência. Mesmo assim, não deixam de ser bonitos e especiais.

Cerimônia civil
Como no Brasil, alguns casais optam por oficializar a relação só no civil. Os noivos recebem um número pequeno de convidados (até no máximo 50 pessoas, de acordo com o tamanho do lugar). Os casamentos civis são realizados no Standesamt, que pode ser um prédio simples ou uma construção histórica, e ocorrem geralmente no final da manhã (11h).

Após marcar a data e reunir toda a papelada, o casal encontra-se com o escrivão (Standesbeamter) que realizará o casamento para contar um pouco de sua história. Para tornar a cerimônia mais pessoal e mais bonita, ele resume a história do casal antes de começar com as formalidades. Dependendo do Standesamt, é possível colocar uma música ou de contratar um cantor. Nesse casamento que fomos, uma moça cantou e tocou teclado. O som estava tão bom que eu jurei que era um CD. Os noivos podem optar por fazer um pequeno discurso  durante a troca das alianças. Após o encerramento, eles recebem os cumprimentos dos convidados e geralmente oferecem um pequeno brinde (Sektempfang).

Noivos na cerimônia civil
Noivos na cerimônia civil

No caminho para a recepção, os convidados acompanham o carro dos noivos e fazem um buzinaço. Bem comum também entre a comunidade turca aqui em Berlim.

A celebração após a cerimônia varia de acordo com o gosto dos noivos. Pode ser um almoço em um restaurante, um pequeno buffet em uma locação ou até um grande piquenique no parque.

Cerimônia religiosa
O casamento religioso também costuma ocorrer de dia (entre 11h e 14h) A maioria das igrejas na Alemanha é protestante, por isso, mulheres também podem realizar a cerimônia. Além de marcar a data com bastante antecedência (pelo menos seis meses, pois no verão, a procura ainda é maior), marca-se também um encontro com o pastor para organizar detalhes como som,  passagens ou frases bíblicas sobre o amor. e os cantos – e os convidados também devem cantar. É preciso escolher entre duas a três canções que serão cantadas durante a cerimônia – músicas que não precisam necessariamente ser da igreja.

O pastor tocou violão, foi muito fofo.
O pastor tocou violão, foi muito fofo.

Não há espaço de destaque para padrinhos e madrinhas. Geralmente há um padrinho, que é um grande amigo do noivo. Eu escolhi minhas madrinhas, mas ela só sentaram na primeira fila (perdão, gurias). Isso, no Brasil, é bem mais legal. Quando mostro minhas fotos do casamento no Brasil, com sete casais de padrinhos, as pessoas acham engraçado aqui.

Por isso, não há cortejo na cerimônia. O noivo aguarda a noiva no altar. Ela entra na igreja levada pelo pai e era isso.

Acredito que é possível fazer diferente, mas como casei no Brasil e aqui, eu deixei a cerimônia daqui ser feita de acordo com o que foi sugerido pelo pastor e acordado pela família do meu marido.

No casamento religioso, os noivos sentam durante a cerimônia, em duas cadeiras colocadas em frente ao altar.

Após a cerimônia, os noivos recebem os cumprimentos dos convidados na frente da igreja. Logo após, os mais próximos se deslocam para a recepção também fazendo um buzinaço seguindo o carro dos noivos.

Como o casamento ocorre de dia, os convidados geralmente são recepcionados com um buffet para o almoço. E a celebração geralmente vai longe. Na metade da tarde serve-se o “Kaffee / Kuchen” (café com bolo) e, para os que ainda têm forças, pode haver um churrasco durante a noite e uma pista de dança. Prepare-se para um longo dia de festa e manere na bebida, pois os alemães têm mais resistência ao álcool do que nós e eles bebem bastante.

Tradições

Há diversas tradições, como prendas que os noivos devem pagar, feitas pelos “amigos”, vizinhos ou familiares do casal. Nesse que fomos, os noivos precisavam cortar juntos, dividindo uma tesoura, faixas de papel crepom. Isso representa os obstáculos no caminho.

"Cortando" os obstáculos juntos
“Cortando” os obstáculos juntos

Outra (que eu tive que passar), foi ter que sentar num carrinho de mão decorado com flores, com aquele vestido enorme, e ser levada pelo meu marido até a entrada da festa. Em cada pausa, o casal deveria se “abastecer” com uma dose de schnaps (qualquer destilado barato).

"Essa é a onda, essa é a onda do carrinho de mão... pá pá"
“Essa é a onda, essa é a onda do carrinho de mão… pá pá”

O mais difícil de todos, na minha opinião, é serrar um tronco de árvore. Cada um pega um lado do serrote para cortar um tronco e provar que vai superar as dificuldades juntos. Tudo bem, é algo simbólico que tem um significado bonito, mas às vezes, dependendo do tamanho do tronco, pode ser cruel. Como casamos no alto verão e fomos “presenteados” com um tronco gigante, meu marido suou tanto que teve de trocar a camisa. Comigo, foi a maquiagem e o cabelo que cederam antes do planejado. Mas tudo bem, é tradição e é super divertido para quem olha.

Prendinha...
Prendinha…

 

...prendão :(
…prendão :(

 

As crianças convidadas costumam trazer flores para a noiva. Isso é muito bonitinho.

Traje

Não tenho muita experiência em casamentos aqui ainda, mas como falei no começo. a festa é encarada com menos formalidade. Por isso, não se assuste se alguém aparecer de calça jeans ou até mesmo de chinelo. Na dúvida, pergunte aos noivos para evitar desconforto com roupas muito formais (ex. salto alto quando a festa será no campo, terno e gravata quando a cerimônia será um churrasco no parque). Nesse casamento que eu fui, nas montanhas, muitas pessoas estavam arrumadas na cerimônia, mas levaram roupas confortáveis (e digo, bermuda e chinelo mesmo), pois a celebração foi bem informal. Mas, novamente, isso depende muito do estilo dos noivos.

Não perca tempo com vestidos longos e saltos altos. Vestidos mais trabalhados ou de tecidos finos na altura do joelho são coringas. Para os homens, o figurino não varia muito. Calça e camisa social não dão chance para erros. Gravata também é opcional.

Presentes

Na hora de dar um presente, não esqueça do cartão, que é sempre legal para guardar de recordação. Ainda não soube de um casamento com lista de presentes em uma determinada loja. Geralmente os convidados trazem algo para a casa (um livro de receita, um pequeno jogo de louça, chocolates, etc.) ou presenteiam os noivos com dinheiro.

Espero que essas dicas sejam úteis. Insisto em repetir que essas são as impressões de quem não tem muita experiência no assunto, mas acredito que pode servir para se ter uma ideia sobre como é um casamento na Alemanha. Adoraria ouvir outras histórias nos comentários :)

Nos arredores de Prenzlauer Berg

Falem o que quiser sobre Kreuzberg e Neukölln, mas o meu bairro preferido foi e continua sendo Prenzlauer Berg, no nordeste da cidade. Ainda lamento a saída de casas noturnas legais, como o Magnet e o White Trash, das redondezas em função da invasão de novas famílias, mas a diversidade de restaurantes, lojas, mercadinhos e alguns bares espalhados pelas ruas arborizadas torna o bairro sempre convidativo para se visitar. Como Pankow é do lado, tenho sorte de estar com frequência por ali.

Depois de ter visto à algum tempo uma recomendação em um desses instafoodies de Berlim, fui conferir a pizza da Zia Maria na Pappelalle. As pizzas são vendidas em pedaços, mas feitas na hora (não apenas aquecidas, como em muitas dessas pizzarias to go). Há uma boa variedade de cervejas, que podem ser degustadas na pequena salinha com mesas na parte interna, ou na rua, nas mesas de madeira estilo biergarten. Com os dias mais longos, casais, amigas, pais jovens e seus filhos nas bicicletinhas sem pedal dividem os bancos para curtir uma pizza de massa fininha e absurdamente gostosa. Depois que eu provei, virou minha pizza preferida.

Pizza e bira na Zia Maria. A fatia sai por cerca de 3 Euros
Pizza e bira na Zia Maria. A fatia sai por cerca de 3 Euros

Como não há refeição sem sobremesa, basta pegar a Stargarderstr. em direção à Schönhauser Allee para ver o burburinho de gente na calçada. Eles, ali, estão curtindo um sorvete da Hokey Pokey, sorveteria xodó da vizinhança. As composições elaboradas dos sorvetes, como doce de leite com banana, maçã com alecrim, pistache e chocolate francês – além da bela decoração do lugar, enchem os olhos de quem passa. O preço da bola é um pouco mais caro do que as outras sorveterias, 1, 60 Euro. Mas quem ama sorvete não se importa em pagar mais. Agora com a primavera, a loja fica aberta até às 22h.

Sempre igual, sempre diferente: uma bola de chocolate, outra de tiramisú.
Sempre igual, sempre diferente: uma bola de chocolate, outra de tiramisú.

Nos domingos entre às 11h e 17h, o Kulturbrauerei organiza um street food market, em que food trucks se juntam para vender quitutes para apreciar a ceu aberto. Uma diversidade de hambúrgueres, empanadas, tortas salgadas, massas, crepes e até água de coco made in Asia são vendidos. Um dos petiscos mais pedidos é a batata doce frita com molho agridoce ou de ervas com limão. Bom demais.

Slow food para curtir na rua
Slow food para curtir na rua
Vai uma água de coco?
Vai uma água de coco?
Street food market no Kulturbrauerei
Street food market no Kulturbrauerei

A boa do último findi em Berlim

Em função do tempo bom, fizemos dois programas que agradam tanto os berlinenses como os turistas durante um final de semana em Berlim. O primeiro foi assistir ao jogo do time da casa, o Hertha BSC contra o FC Köln pela Bundesliga, o que seria o nosso Brasileirão.

Olympiastadion - sede do Hertha BSC, que está sempre tentando se segurar na primeira divisão.
Olympiastadion – sede do Hertha BSC, que está sempre tentando se segurar na primeira divisão.

O jogo foi absurdamente chato, O juiz estava tão entediado com aquele lenga-lenga que assim que o relógio marcou 90 minutos, ele finalizou a partida.

Apesar da rivalidade – um tanto morna pelo tédio do jogo – haviam setores mistos do estádio. Fãs de ambos os times – azul do Hertha e Vermelho do Köln – torciam pacificamente lado a lado.

Torcida mista no jogo morno
Torcida mista no jogo morno

O passeio valeu pelo estádio, construído na década de 1930, período que os alemães não se orgulham de lembrar. Mas a estrutura e a arquitetura do estádio são indiscutíveis. Um exemplo de menos destaque, mas de grande importância são os banheiros, incrivelmente limpos e bem cuidados. Não estive no Brasil durante a Copa, mas a lembrança que tenho do velho Beira-Rio e do extinto Olímpico não me deixaram com saudades.

Outra medida que eu acho muito inteligente é o sistema de casco para os copos de bebida (Pfand). Quem compra uma cerveja ou refri no estádio paga dois Euros pelo copo – de plástico resistente. Como  dois Euros é muito dinheiro, todos guardam os copos até o final da função e pegam o dinheiro de volta nos quiosques. Além de mais sustentável, a ideia facilita a manutenção do estádio, pois as arquibancadas no final do jogo não ficam cheias de lixo.

Para quem gostaria de ver um jogo, é possível comprar ingressos online aqui. Mas não se iluda, não há mais nada para a final da Champions League, a menos que você queria pagar mais de 1 mil Euros por um ingresso.

Já o domingo foi dia de um programa bem família no Zoo. Como há a possibilidade de comprar um ingresso anual por um bom preço, o Zoo torna-se uma opção coringa para pais com crianças em busca de distração. O bom tempo ajudou a encher o parque. Apesar da lotação, o espaço é tão grande que não chega a comprometer o passeio para quem não está na vibe infantil.

Zoo
Zoo

Mesmo há seis anos em Berlim, nunca havia visitado o Zoo. Há vários restaurantes, banheiros e sorveterias espalhados, além de um simpático biergarten. Mesmo não sendo fã de bichos presos e expostos, dá pra ver que tudo é muito bem cuidado. De acordo com a página do Zoo na Wikipedia, ele abriga o grupo de animais mais completo do mundo. Desde girafas, elefantes, leões, cangurus, ursos… até os pinguins e canarinhos brasileiros, dá pra ver de tudo e se divertir com a fofura dos bichos.

Pinguins, meus preferidos
Pinguins, meus preferidos
Espaço dos cangurus
Espaço dos cangurus
Alguns dos bichinhos parecem posar para as fotos
Alguns dos bichinhos parecem posar para as fotos
O lago dos flamingos
O lago dos flamingos
Biergarten para curtir o tempo bom
Biergarten para curtir o tempo bom

 

Ingressos para o Zoo (13 Euros – adulto) podem ser adquiridos online, nas bilheterias automáticas da BVG (metrô) ou na bilheteria do local.

Primavera em Berlim

Depois de um inverno não muito frio, porém longo, os berlinenses festejam a chegada de dias mais quentes e ensolarados

Abril faz o que ele bem entende. É  o que os alemães costumam dizer sobre o primeiro mês da primavera. O inverno foi bem ameno se comparado com anos anteriores. Nada de temperaturas na casa dos dois dígitos negativos, nem de acúmulo de neve na altura do joelho nas ruas. Mesmo assim, na semana que antecipou a páscoa, Berlim foi surpreendida por uma chuva de neve gorda. Mas como a temperatura não estava muito baixa, a paisagem não ficou branca por muito tempo.

Neve pesada na primavera.
Neve pesada na primavera.

 

A semana teve tempo feio e ventanias que causaram destruição pelo país. A promessa para o final de semana era de tempo quente e a previsão felizmente não errou. A sexta-feira já trouxe uns 20oC  e muito sol. Os berlinenses dão muito valor ao tempo bom e aproveitam o céu azul e o calorzinho até o anoitecer, por isso, muita gente saiu do trabalho e fez o happy hour no parque.

 

Final da tarde de sexta, Bürgerpark Pankow bem frequentado.
Final da tarde de sexta, Bürgerpark Pankow bem frequentado.

 

O Biergarten do Bügerpark, assim como a maioria dos outros espalhados pela cidade já iniciaram a temporada. O Berliner Zeitung listou os principais que também abriram suas portas.

O que eu gosto em especial nessa época é reparar nos passarinhos cantando. Sempre lembro dos desenhos, em que eles migravam para o sul para passar o inverno. Pelo visto, todos estão de volta anunciando que o calor vem vindo.

Na primavera, restaurantes e cafés enchem as ruas de mesinhas. Mesmo se não está muito calor, há sempre umas cobertinhas em volta das cadeiras para os mais friorentos, pois vale a pena encarar um frio leve e pegar um sol do que ficar em um ambiente fechado.

 

Defina degustar a vida.
Defina apriveitar a vida.

O domingo começou preguiçoso mas o céu está abrindo.  Os parques chamam novamente para um churrasco (outro grande amor dos alemães no calor) ou  um um piquenique.  Na primavera, ée possível aproveitar os espaços públicos sem ter que gastar dinheiro.  Mais além vou preparar um post com uma lista dos programas preferidos dos berlinenses na primavera.

Para quem está vindo por agora, não esqueça de trazer um bom casaco. Mesmo com o sol, basta a noite chegar para a temperatura cair para os 7oC, 5oC. E aproveite, essa é a época do ano mais incrível para se estar na cidade.

IMG_1401