Arquivo da categoria: Dia a dia

Maternidade na Alemanha

Estou devendo esse post há mais de um ano. Mas antes tarde do que nunca, é hora de falar de um tema importante pra quem escolhe a Alemanha pra ter e criar filhos.

Logo que descobri que estava grávida, tive a sorte de conhecer uma outra mãe brazuca (obrigada, Carol!) que me indicou uma boa médica. Médicos realmente bons em Berlim são raridade. E quando eles existem, muitos não aceitam pacientes novos. No caso dessa médica, a clínica só aceitava pacientes grávidas, então dei muita sorte.

A escolha é da mulher

Até os três primeiros meses da gravidez, as mulheres têm direito à escolha de continuar ou não com a gestação. Caso haja dúvidas, é oferecido um atendimento psicológico e eu tenho quase certeza que todos os procedimentos são cobertos pelo seguro de saúde público.

Começando a aventura

A gravidez é calculada por semanas. O parto normal ocorre entre a 40a – 42a semana. Alguns médicos possuem um aparelho de ultrassom no próprio consultório, por isso é possível acompanhar o desenvolvimento do feto desde o comecinho. Nessa fase inicial é tempo de procurar uma Hebamme (parteira) que irá acompanhar a gestante em paralelo com a médica. Geralmente escolhe-se uma parteira com base no endereço para que ela esteja perto depois que o nenê nascer.

Parteira

Tive (de novo) sorte de conhecer uma parteira excelente, indicada pela minha médica. Ela era muito tranquila, desmistificou todas essas baboseiras que inventam para dificultar ainda mais a vida da gestante e serviu de conselheira e ouvinte nos momentos de dúvida. “O que faz bem pra mãe, faz bem pro nenê”, ela me dizia. O seguro saúde também cobre a assistência da parteira. Em alguns raros casos, ela pode te acompanhar no parto (Beleghebamme), mas ela precisa estar afiliada a um hospital e é preciso pagar uma quantia extra.

Mutterpass

Mutterpass_Frontseite

Ainda na fase inicial, a gestante ganha um passaporte de mãe (Mutterpass) onde registram-se todos os exames médicos, consultas e encontros com a parteira. Recomenda-se andar sempre com ele para que, em caso de uma emergência, qualquer médico pode se atualizar com rapidez sobre o desenvolvimento da gestação.

Mova-se com o barrigão

Quem tem tempo, pode fazer todo tipo de atividade física especial para a gravidez, como yoga e hidroginástica. Como eu estava trabalhando full-time, infelizmente não fiz nada disso.

Moda gestante
IMG_2756
Arrasando com o barrigão <3

Lojas como C&A e H&M possuem seção para gestantes. A minha maior aliada era a legging. Ainda há muita oferta online.  Uma loja que eu gostei muito ficava em Prenzlauer Berg, a 9MonateBerlin. Essa foi a única época da minha vida que eu usei roupas justas para exibir minha pança :)

Verão / Inverno

A data de nascimento do meu filho era metade de setembro, ou seja, passei os meses finais da gravidez no alto verão – e aquele verão foi o mais quente que eu já vivi aqui (meia-noite, 28oC). A temperatura no verão alemão geralmente é mais amena que no Brasil, mas quando resolve ser quente, não há alternativas como ar-condicionado, seja no transporte público, no trabalho ou no comércio. Por isso que eu trouxe um ar condicionado do Brasil – mas isso é história para outro post.

O que vem por aí…

As parteiras recomendam fazer o curso de preparação para o parto (Geburtsvorbereitungskurs), que geralmente ocorre num final de semana e é oferecido em casas de parto (Geburtshaus). Eu fiz, achei OK. Dá pra ir sozinha ou com o parceiro (é bom pra dar um refrescada na cabeça deles sobre a condição especial que estamos e que merecemos muito cuidado e carinho).

Onde e como?

Há várias maneiras e lugares para o parto. Para quem procura algo mais alternativo, as casas de parto são bem atraentes. Elas oferecem um ambiente mais aconchegante e menos frio que os hospitais. Há um equipe de parteiras (e enfermeiras, acredito – alguém por favor confirma essa informação?). E em caso de uma emergência, a gestante é levada imediatamente para um hospital.

Como alguns hospitais daqui são super equipados e também oferecem alternativas para a gestante, como parto na água, salas de parto humanizadas e quartos de família (em que o pai pode passar a noite com a mãe e o bebê), eu não hesitei em escolher o hospital. Os que têm maternidade geralmente oferecem uma tarde “das portas abertas” com uma palestra sobre os serviços oferecidos e uma pequena visita aos quartos. A partir da 33a semana, a gestante deve marcar um horário e se inscrever num hospital / casa de parto. Assim temas como anestesia, tipo de parto, preferência de quarto e até detalhes sobre o destino da placenta são definidos antecipadamente para evitar estresses desnecessários durante o trabalho de parto.

Eu escolhi o Helios Klinik em Buch e caso tenha mais um filho, é pra lá que eu vou.

É hoje

No tão esperado dia, quando comecei a sentir as contrações, ligamos para o serviço de transporte parceiro do hospital – gratuito. Fui de ambulância com meu marido para lá – um sábado de noite.  Cheguei lá às 23h e já fui direto para uma sala de parto linda, com iluminação especial (nada daquelas lampadas fluorescentes pálidas), com cores aconchegantes e um banheiro. Nem deu tempo de pedir banheira. Na sala e durante o parto é possível aproveitar a companhia de até dois acompanhantes, nesse caso, meu marido e minha mãe. Fui apresentada para a parteira e para a médica – que só ficou mesmo na hora que meu filho ia nascer. O parto foi feito só pelas duas. Nenê chegou às 3h da manhã. :)

Os primeiros dias como pais
Primeiro passeio agarradinho na mamae
Primeiro passeio agarradinho na mamãe

Depois de deixar o hospital (onde o bebê pode fazer os primeiros exames no segundo / terceiro dia após o nascimento, é a vez da parteira assumir o cuidado com o serzinho e os novos pais). Ela vem todos os dias durante duas semanas e, caso esteja tudo bem, as visitas começam a ficar mais espaçadas. Ela pesa e acompanha o desenvolvimento do nenê, assim como a recuperação da mãe.

Licença maternidade

Existem dois tópicos importantes para as mães (e pais) que trabalham. Primeiro é a Mutterschutz, que dura seis semanas antes até 12 semanas do nascimento. Essa licença é obrigatória. Depois que vem a licença maternidade (paternidade) mesmo, o Elternzeit, que pode durar até dois anos e ser dividido entre os pais.

Pediatra

Eu recomendo buscar um pediatra antes do nenê nascer. No começou do post falei que é difícil encontrar bons médicos disponíveis em Berlim e a regra se aplica para todas as especialidades. No caso do meu filho, fui atrás de um pediatra cerca de 7/10 dias após o nascimento. Tive que ouvir coisas absurdas como: “seu bebê já é muito velho, não podemos aceitá-lo como paciente”.

Kita

IMG_2567

Igualmente complicado é conseguir uma vaga numa creche (Kita). Tem gente que se inscreve logo que descobre a gravidez. Dependendo do Kita, bebês a partir de seis meses já são aceitos, mas a média é um ano, um ano e meio. E muitos Kitas fecham cedo, tipo 16h, 17h, o que dificulta a vida de quem tem que trabalhar full-time.

Mais tópicos para o futuro

Existem um milhão de temas que eu posso explorar aqui, incluindo os cursos pekip, Eltern-Kind-Café, atividades em português e a DM, que se torna o melhor passeio da nova mãe (heheeh). Mas o post vai ficar muito longo. Mas resumindo, gravidez na Alemanha (pelo menos em Berlim) é uma experiência muito agradável e tranquila. E mesmo para as grávidas mais céticas, como eu era, ter um filho é realmente a descoberta do amor maior.  <3

 

 

 

 

Prontos para o fim de ano em Berlim?

Mid-November, dias terminando às 16h, ruas enfeitadas, mercados de Natal e até “black Friday” abriram essa semana a temporada de fim de ano em Berlim.

Na Friedrichstr. também tem um mercado de Natal
Na Friedrichstr. também tem um mercado de Natal

O tempo semana passada foi um belo exemplo que faz muita gente temer a vida na Alemanha. Mas de vez em quando o céu nos presenteia com belas paisagens no amanhecer, como a da foto em destaque. Mas pra curtir a mistura de rosa, laranja e azul é preciso madrugar.

Berlim está pronta pro inverno e pro final de ano. Quem vem nas próximas semanas deve se preparar para o frio. Hoje, a máxima não passou de 3oC.

No final de semana os raios de sol do meio-dia fizeram muita gente sair de casa pra tirar o mofo. Nós fomos passear no caminho do Muro de Berlin (Berliner Mauerweg) que começa nos arredores bifurcação da Bornholmer Str. e vai até o Mauerpark em Prenzlauer Berg. O caminho ali é dividido entre ciclistas, cães, atletas de final de semana e pais com seus bebês (eu). Como é muito frio pra ir no parque, o jeito é levar os filhos num Eltern-Kind Café, onde, como diz o nome, pais podem tomar um café, comer alguma coisa e deixar as crianças soltas para brincar. Alguns possuem inclusive piscina de bolinhas, livros e um monte de brinquedos. É uma alternativa para evitar olhares tortos de outros clientes e para os bebês ficarem soltos sem que a gente tenha que correr atrás o tempo todo – por isso, no final de semana, às vezes é preciso fazer reserva porque bomba. Ainda vou fazer um post só sobre isso.

Berliner Mauerweg: passeio na domingueira
Berliner Mauerweg: passeio na domingueira

Como tive que resolver várias coisas pra garantir um passagem de ano tranquila, registrei algumas paisagens bonitas da cidade. Dá uma olhada:

Spree, Torre da TV e Ilha da Museus vistas da Friedrichstr.
Spree, Torre da TV e Ilha da Museus vistas da Friedrichstr.
img_9035
Spree e Torre da TV dessa vez pelos arredores de Jannowitzbrücke

E como ninguém vive só de paisagens, também temos nosso lado foodie. Fui matar as saudades do Dada Falafel – fast food “slow” e cult em Oranienburger Tor e do Wonderpots, na frente do Grimm Zentrum. Recomendo muito!

Dada Teller: um pouco de cada especialidade da casa por 8 Euros.
Dada Teller: um pouco de cada especialidade da casa por 8 Euros.
Frozen yogurt from heaven <3
Frozen yogurt from heaven <3

 

Wilco em Berlim (e as novidades de novembro)

Que semana, senhores.

Teve show do Wilco, uma triste surpresa nos Estados Unidos, uma despedida e um reencontro feliz com uma amiga da vida.

Na segunda-feira dia 7, depois de um ano com o ingresso na mão e sete anos de espera, fui prestigiar uma das bandas que eu mais amo. Wilco finalmente voltou a Berlim depois de sua apresentação em 2009. Assim que eu fiquei sabendo do show, em novembro de 2015, comprei nossos ingressos e esperei pacientemente por esse dia.

O show foi no Tempodrom e os lugares eram marcados. A casa estava cheia. Confesso que esse foi o primeiro show “adulto” que eu fui, em que a faixa etária variava entre late 30’s – middle 50’s. Fiquei feliz por ter garantido minha camisetinha e sair orgulhosa por ai exibindo minha admiração pela banda.

Camisetinha do Wilco. Iuhuuu!
Camisetinha adquirida no show do Wilco em Berlim. Iuhuuu!

Ir em shows na Alemanha pode ser uma experiência opressiva pois – geralmente – os alemães vão aos eventos para ver e ouvir as bandas, não para cantar junto. Eu, com meu sangue latino misturado ao meu amor pela banda, tive que bravamente me conter pra não sair berrando e me retorcendo naquela misera cadeirinha. Mas, quando Jeff Tweedy começou a cantar “I am trying to break your heart”, alguns poucos gatos pingados se levantaram e ficaram no meio do corredor entre os blocos de cadeiras. Senti aquele raio de esperança e saí atropelando as cadeiras da minha frente (enloquecendo meus vizinhos) e fui. Fiquei a uma cabeça da banda.

Jeff Tweedy e seus colegas não conseguiram esconder nem a surpresa, nem a alegria em ver aqueles (muitos) gatos pingados curtindo o show em pé. “Fico feliz em ver vocês aqui, mas acho que vocês têm de sentar”, disse. Mas não adiantou. Ficamos o show inteiro ali. E mesmo estando ao lado dos fãs provavelmente mais caloroso do evento, eu ainda era uma das mais eufóricas. Sorte que havia dois caras espanhóis ao meu lado tão empolgados como eu. Ai meus surtos de alegria não se dispersaram sozinhos no ar. Nem na hora dos solos, como em “Impossible Germany”, uma das músicas mais importantes da trilha sonora da minha vida.

Jeff Tweedy é um querido e fez um super show com seus colegas do Wilco
Jeff Tweedy é um querido e fez um super show com seus colegas do Wilco

Apesar da alegria e disposição da banda, Jeff estava nervoso. Não em função do público berlinense, mas pelo que estava por vir em terras americanas no dia seguinte. Mas não teve jeito e Trump venceu. Eu sinto muito por eles e por todos que não acreditam que uma bizarrice dessas seria capaz de acontecer. No sábado, várias pessoas se reuniram no portão de Brandemburgo para protestar contra a eleição desse “gestor” que nada entende de gente, de meio ambiente, de mulher, de futuro, etc.

Mas a vida tem que continuar. No dia seguinte, vi que um dos perfis do Instagram mais populares de Berlim, o Notes of Berlin, publicou uma foto que eu mandei pra eles há cerca de um ano. Fique surpresa e feliz ao ver que mais de duas mil pessoas curtiram a nota escrita na frente de um bar aqui do lado da minha casa: “Aqui poderia estar escrita uma citação de um famoso pensador ou filósofo, que poderia te iluminar, mas não mudar nada no momento. Por isso, entre e tome alguma coisa.” Foi um prazer :)

Notes of Berlin e deBerlim :)
Notes of Berlin e deBerlim :)

A semana ainda foi de despedidas, pois estou mudando de empresa. Foi um tempo de muito aprendizado, mas agora é hora de fazer algo mais feliz. Mais novidades em breve.

Aí para fechar a semana, recebi minha grande amiga e cidadã honorária da Alemanha Marina Smith. Como sempre,  o final de semana foi repleto de boa gastronomia e muito vinho branco:

img_8895
Late lunch no Hard Rock Café, em Kudamm
Schokoloco da Princess Cheesecake, em Mitte
Schokoloco da Princess Cheesecake, em Mitte
img_8902
Quartel general da Deutsche Bahn, no Sony Center no sábado de noite
Primeiro Glühwein da temporada de inverno 2016/2017 em Potsdamer Platz
Primeiro Glühwein da temporada de inverno 2016/2017 em Potsdamer Platz

Boa semana pra vocês.

 

Últimas de Berlim

Teve de tudo nessa semana, queda na temperatura, sol, e, de novo, muita chuva e tempo cinza. Pra quem pretende vir à Berlim nos próximos dias é bom se preparar porque é capaz de nevar. Escrevo aqui as últimas de Berlim, ou ao menos aquilo que foi relevante pra mim nessa semana que termina.

Na quinta-feira o sol apareceu depois de três dias sem dar as caras. Cheguei a flagrar gente parada no meio da rua de olhos fechados curtindo a luz do sol no rosto. É impressionante como o tempo, principalmente o sol, pode servir de antidepressivo pros berlinenses e seus expatriados.

Aproveitei o dia bonito pra tirar um foto da vista do meu escritório. Berlim pode não ser a cidade mais linda da Europa, mas ainda assim, provoca uma paixão inexplicável e compulsiva em certas pessoas como eu.

o céu sobre Berlim

Visitei essa semana o café Westberlin, na Friedrichstr. Super cool, com uma seção de livros de comunicação e design. O chocolate quente deles  de 200ml custa € 3,60 – caríssimo, mas bem melhor do que muita coisa meia-boca de Starbucks e afins. Pena que não tirei foto.

Mas a trégua não durou muito e o final de semana nos recebeu de cara fechada. Aqui muita gente fala que não existe tempo ruim, mas roupas erradas. Mas sério, chuva pesada e dia terminando às 16h30min obriga qualquer um a ficar em casa. Saí sim, pra ir no supermercado que, como em todos os sábados, fica tão cheio como se a terceira guerra mundial fosse começar no dia seguinte. Tem promoção de Milka no Rewe, a barra de 100g sai por 0,79 centavos. Mas segurei a onda e só tirei uma foto. As minas do insta piraram.

img_8812
Vai um chocolatinho aí?

Como não temos como mudar o tempo, o jeito é curtir em casa. Fiz uma sopa com base de molho de tomate, cenoura, batata, batata doce, massinha e salsichinha wiener que encontrei no livro “Familie in Form” (hahahah). Pra acompanhar, um vinhozinho branco da França. Não posso reclamar da vida.

Cardápio de outono: a noite de sábado foi assim.
Cardápio de outono: a noite de sábado foi assim.

E por último, mas não menos importante: depois de sete anos de espera, vou ver o show do Wilco na segunda-feira. Comprei o ingresso há um ano e venho esperando bem feliz. Não vejo a hora.  Wilco e sua Alemanha Impossível me acompanham nessa jornada de quase 8 anos nesse país aqui.

Schmiiiilcooo do Wilco <3
Schmiiiilcooo do Wilco <3

deBerlim está de volta

Depois de mais de um ano, o deBerlim renasce das cinzas. Por motivos de força maior (trabalho e maternidade – até então, a aventura mais incrível que eu vivenciei), me afastei do blog mas tentei manter pelo menos o insta na ativa.

Essa semana, depois de conversar com uma blogueira do Reino Unido, me pilhei de retornar com o deBerlim, e aqui estou :) Como minha vida mudou bastante, não tenho mais tempo de explorar novos lugares a cada final de semana como antes… Mas vou tentar compartilhar aqui sempre que possível as pequenas belezas do dia a dia berlinense.

Diferente do outono dourado do ano passado, a segunda metade de setembro e todo o mês de outubro foi cinza, carregado, escuro… com aquela chuvinha tinhosa de arrepiar cabelo. A parte boa, como em todos os anos, é comer sopa de abóbora, tomar Federweiße (que já está a venda no mercado faz tempo) e dar mais valor aos rituais em casa, com jantinhas, velas, cobertores e, quando o nenê dorme cedo, Netflix.

Siegssäule
Siegssäule

Hoje a previsão do tempo nos deixou (de novo) na mão. O sol até apareceu timidamente, fui pra Kudamm e no Tiergarten. Tentamos ir tomar um café no Englischer Garten, que a gente gosta muito, mas estava fechado para um evento. Fuén. Acabamos parando num restaurante escondido entre o Portão de Brandemburgo e o Parlamento. Infelizmente o bolo estava mais bonito do que gostoso.

Käsekuchen e Schokosähne - bonitos mas ordinários
Käsekuchen e Schokosähne – bonitos mas ordinários

A previsão do tempo promete sol para amanhã. Vamos ver o que o domingo nos reserva. O horário de verão infelizmente chega ao fim com uma hora a mais para dormir como prêmio de consolação. Preparo-me então pra encarar o cair da noite a partir das 16h. Bora lá.