Arquivo da categoria: Dia a dia

Um toque de design no mapa do metrô

Bem legal a releitura do mapa do metrô de Berlim (S und U-Bahn Netz) feita pelo arquiteto e designer Jug Cerovic. Para facilitar a usabilidade e a compreensão dos usuários,  o mapa é mais arredondado e compacto, enquanto o original é mais espalhado e a fonte menor. Bem que a BVG podia adotá-lo.

Projeto Inat de Jug Cerovic
Projeto Inat de Jug Cerovic

E o mapa original, para comparar:

S und U-Bahn Netz
S und U-Bahn Netz

 

Eleições do Parlamento Europeu: vale tudo na Alemanha

 Apesar das grandes diferenças socioculturais e econômicas, a União Europeia vai às urnas para escolher seus representantes. Na Alemanha, até os partidos pequenos terão vez.

União Europeia significava para o cidadão comum, até então, o fim das fronteiras entre os países membros e o trânsito livre de pessoas; o Euro como moeda oficial e as várias tentativas de ressuscitar as economias de países membros mais pobres, enfraquecidas por diversos motivos que não serão tratados aqui.

Nesse meio de tempo, a UE vem se organizando politicamente com o Parlamento Europeu e tentando estabelecer leis supranacionais. Mas no fim das contas, respeitadas por quem? As medidas do Parlamento Europeu pareciam ainda distantes das pessoas, pois o poder da instituição ainda não influenciava ou sobrepunha as leis de cada país membro ou as particularidades e prioridades de umas sobre as outras não eram claras. O que se entendia é que havia um parlamento que trabalha com o conceito de unidade europeia mas em paralelo às leis de cada país – que, no final das contas, eram soberanas dentro de cada território nacional.

Agora a Europa encontra-se às vésperas de uma nova eleição. De acordo com a página da instituição, essa eleição é diferente – e mais importante do que as anteriores – pois os 751 MEPs (Membros do Parlamento Europeu) que ocuparão o plenário determinarão quem governará o órgão executivo da União Europeia e irão sugerir um candidato para a presidência da Comissão. Essa nomeação será baseada no resultado das eleições, que ocorrem entre os dias 22 e 25 (próxima quinta-feira até sábado) e em que 400 milhões de pessoas têm o direito de votar. O número de membros elegidos por país é proporcional ao número da sua população. A Alemanha é o país com mais representantes: 96, enquanto França terá 74 e Malta, por exemplo, seis.

A atual bancada do parlamento possui sete grupos políticos que possuem partidos representantes nos países membros. São eles, PPE (na Alemanha, CDU, os Democratas Cristãos, da Angela Merkel), S&D (Social-democratas, aqui SPD), ALDE (Liberais democratas, aqui FDP), CRE (Conservadores, sem representação oficial na Alemanha), os Verdes (com mesmo nome aqui), GUE/NGL (de Esquerda, o Die Linke), e o EFD (Liberdade e Democracia, sem representação). Apesar de esses partidos possuírem a maioria das cadeiras no parlamento, em função de regras que evitam a presença de muitas minorias na bancada, a situação nas eleições da Alemanha será diferente, pois a regra do mínimo de 5% dos votos para se eleger não vai valer. Ou seja, qualquer partido, mesmo sem participação nenhuma no senado alemão, vai poder conquistar uma cadeira no Parlamento Europeu, fato que esquentou a disputa por aqui.

E quem pode votar? No caso da Alemanha, qualquer cidadão europeu maior de 18 anos que resida há mais de três meses no país. Eu, por exemplo, recebi uma carta em março com um convite para votar. Resolvi assumir meu dever pois tenho medo desses partidos pequenos porém preocupantes. Em função da diversidade de nacionalidades na Alemanha, os ânimos estão a mil e as eleições ganharam importância na sociedade. Partidos tradicionais, novos, extremistas, populistas, conservadores e alternativos vêm lotando os postes de luz com cartazes e mensagens de todos os tipos para garantir seu lugar no parlamento. Entre as apologias xenófobas, valorização da identidade europeia e críticas ao Euro, é possível até encontrar algumas tiradas de bom humor. Imagina se tivesse horário político! Confere alguns dos cartazes espalhados pelas ruas…

Fronteiras são tão anos 80, dizem os Piratas. Por uma Europa sem Fronteiras
Fronteiras são tão anos 80, dizem os Piratas. Por uma Europa sem Fronteiras
Partido de Proteção aos Animais: Homens, meio ambiente e proteção aos animais
Partido de Proteção aos Animais: Homens, meio ambiente e proteção aos animais
"Europa sem Deus?" questiona o Partidos dos Cristãos Fieis à Bíblia
“Europa sem Deus?” questiona o Partidos dos Cristãos Fieis à Bíblia
Partido Alemão Marxista-Leninsta também está na campanha
Partido Alemão Marxista-Leninsta também está na campanha
Partido Alemão Comunista
Partido Alemão Comunista
NPD - o partido nazista, com apologias xenófobas: "Se o Ali é um Criminoso, que vá rápido para seu país" e a réplica "O que vocês idiotas não sabem é que o país do Ali é a Alemanha"
NPD – o partido nazista, com apologias xenófobas: “Se o Ali é um Criminoso, que vá rápido para seu país” e a réplica “O que vocês idiotas não sabem é que o país do Ali é a Alemanha”
Partidos nacionalistas como o NPD e o AfD (Alternativa para a Alemanha - acima), colocam seus cartazes bem alto nos postes, para que as pessoas não possam arrancá-los com facilidade. "Imigração precisa de regras claras"
Partidos nacionalistas como o NPD e o AfD (Alternativa para a Alemanha – acima), colocam seus cartazes bem alto nos postes, para que as pessoas não possam arrancá-los com facilidade. “Imigração precisa de regras claras”
E a sátira que também pode ser levada à sério por meio d'O Partido: "Merkel é gorda! Sim para a Europa! Não para a Europa" - "Merkel é boba! Escolha o Partido, ele é muito bom"
E a sátira que também pode ser levada à sério por meio d’O Partido: “Merkel é gorda! Sim para a Europa! Não para a Europa – O Partido” – “Merkel é boba! Escolha o Partido, ele é muito bom”

 

Fontes: BR

Tagesschau

 

 

Música para quem não pode ouvir

A Alemanha empenha-se em adotar diferentes medidas de inclusão para pessoas com necessidades especiais. Um dos exemplos mais interessantes é a crescente participação de interpretes de sinais em programas de TV, palestras e até em concertos musicais.

Alguns dos principais programas dos canais abertos, como documentários, programas de auditório e programas infantis ficam disponíveis online em duas versões: a tradicional e a com a linguagem de sinais.

Nos shows, o interprete fica no canto do palco, ao lado da banda, fazendo uma tradução simultânea. Um exemplo de como  a “tradução” de uma música funciona na linguagem de sinais encontra-se aqui:

Carona no transporte público – Solidariedade ou oportunismo?

Quem tem um Monatskarte ou faz um Abo (assinatura) anual para usar o transporte público da BVG de Berlim tem o direito de levar alguém de graça todos os dias a partir das 20h e durante as 24h dos domingos e feriados.

De acordo com uma matéria publicada no Tagesspiegel de ontem (02.02.14), a Associação Berlinense dos Amigos da Natureza, ou Berliner Landesverband der Naturfreunde, quer promover uma ação que identifica portadores desses tíquetes por meio de bottons – para que eles possam levar passageiros de carona “na faixa”.

A diretora  da associação, Judith Demba, conta que foram fabricados cerca de 5 mil bottons e mais de 1,5 foram distribuídos. O objetivo da ação é promover a mobilidade e inserir as pessoas de baixa renda na sociedade, visto que muitas deixam de ter acesso à cultura ou até a ver seus familiares por não poderem pagar o transporte.

Quem quiser se informar sobre a ação pode acessar esse site.  Se a sociedade Berlinense está de acordo ou considera a iniciativa tão solidária como ela soa são outros quinhentos.  Entre as principais críticas, fala-se da dificuldade em acertar o percurso, visto que o “carona” deve embarcar e desembarcar na mesma parada do dono do tíquete. Outro problema é a reação da BVG, que pode optar por subir ainda mais o preço das tarifas caso haja uma considerável diminuição na venda de passagens. Ou ainda há aqueles que podem tentar lucrar com a novidade, querendo explorar o carona e cobrar  um preço abaixo da tarifa normal para poder levá-lo junto.

Será que a moda pega?