Arquivo da categoria: Evento

Wilco em Berlim (e as novidades de novembro)

Que semana, senhores.

Teve show do Wilco, uma triste surpresa nos Estados Unidos, uma despedida e um reencontro feliz com uma amiga da vida.

Na segunda-feira dia 7, depois de um ano com o ingresso na mão e sete anos de espera, fui prestigiar uma das bandas que eu mais amo. Wilco finalmente voltou a Berlim depois de sua apresentação em 2009. Assim que eu fiquei sabendo do show, em novembro de 2015, comprei nossos ingressos e esperei pacientemente por esse dia.

O show foi no Tempodrom e os lugares eram marcados. A casa estava cheia. Confesso que esse foi o primeiro show “adulto” que eu fui, em que a faixa etária variava entre late 30’s – middle 50’s. Fiquei feliz por ter garantido minha camisetinha e sair orgulhosa por ai exibindo minha admiração pela banda.

Camisetinha do Wilco. Iuhuuu!
Camisetinha adquirida no show do Wilco em Berlim. Iuhuuu!

Ir em shows na Alemanha pode ser uma experiência opressiva pois – geralmente – os alemães vão aos eventos para ver e ouvir as bandas, não para cantar junto. Eu, com meu sangue latino misturado ao meu amor pela banda, tive que bravamente me conter pra não sair berrando e me retorcendo naquela misera cadeirinha. Mas, quando Jeff Tweedy começou a cantar “I am trying to break your heart”, alguns poucos gatos pingados se levantaram e ficaram no meio do corredor entre os blocos de cadeiras. Senti aquele raio de esperança e saí atropelando as cadeiras da minha frente (enloquecendo meus vizinhos) e fui. Fiquei a uma cabeça da banda.

Jeff Tweedy e seus colegas não conseguiram esconder nem a surpresa, nem a alegria em ver aqueles (muitos) gatos pingados curtindo o show em pé. “Fico feliz em ver vocês aqui, mas acho que vocês têm de sentar”, disse. Mas não adiantou. Ficamos o show inteiro ali. E mesmo estando ao lado dos fãs provavelmente mais caloroso do evento, eu ainda era uma das mais eufóricas. Sorte que havia dois caras espanhóis ao meu lado tão empolgados como eu. Ai meus surtos de alegria não se dispersaram sozinhos no ar. Nem na hora dos solos, como em “Impossible Germany”, uma das músicas mais importantes da trilha sonora da minha vida.

Jeff Tweedy é um querido e fez um super show com seus colegas do Wilco
Jeff Tweedy é um querido e fez um super show com seus colegas do Wilco

Apesar da alegria e disposição da banda, Jeff estava nervoso. Não em função do público berlinense, mas pelo que estava por vir em terras americanas no dia seguinte. Mas não teve jeito e Trump venceu. Eu sinto muito por eles e por todos que não acreditam que uma bizarrice dessas seria capaz de acontecer. No sábado, várias pessoas se reuniram no portão de Brandemburgo para protestar contra a eleição desse “gestor” que nada entende de gente, de meio ambiente, de mulher, de futuro, etc.

Mas a vida tem que continuar. No dia seguinte, vi que um dos perfis do Instagram mais populares de Berlim, o Notes of Berlin, publicou uma foto que eu mandei pra eles há cerca de um ano. Fique surpresa e feliz ao ver que mais de duas mil pessoas curtiram a nota escrita na frente de um bar aqui do lado da minha casa: “Aqui poderia estar escrita uma citação de um famoso pensador ou filósofo, que poderia te iluminar, mas não mudar nada no momento. Por isso, entre e tome alguma coisa.” Foi um prazer :)

Notes of Berlin e deBerlim :)
Notes of Berlin e deBerlim :)

A semana ainda foi de despedidas, pois estou mudando de empresa. Foi um tempo de muito aprendizado, mas agora é hora de fazer algo mais feliz. Mais novidades em breve.

Aí para fechar a semana, recebi minha grande amiga e cidadã honorária da Alemanha Marina Smith. Como sempre,  o final de semana foi repleto de boa gastronomia e muito vinho branco:

img_8895
Late lunch no Hard Rock Café, em Kudamm
Schokoloco da Princess Cheesecake, em Mitte
Schokoloco da Princess Cheesecake, em Mitte
img_8902
Quartel general da Deutsche Bahn, no Sony Center no sábado de noite
Primeiro Glühwein da temporada de inverno 2016/2017 em Potsdamer Platz
Primeiro Glühwein da temporada de inverno 2016/2017 em Potsdamer Platz

Boa semana pra vocês.

 

Casamento na Alemanha – Pequeno manual de etiqueta

Estive em um casamento semana passada e tive a ideia de escrever um pequeno texto para ajudar quem vai a um em breve ou pensa em casar na Alemanha. Diferente do Brasil, os casamentos na Alemanha tendem a ser mais simples e informais e não ocorrem com tanta frequência. Mesmo assim, não deixam de ser bonitos e especiais.

Cerimônia civil
Como no Brasil, alguns casais optam por oficializar a relação só no civil. Os noivos recebem um número pequeno de convidados (até no máximo 50 pessoas, de acordo com o tamanho do lugar). Os casamentos civis são realizados no Standesamt, que pode ser um prédio simples ou uma construção histórica, e ocorrem geralmente no final da manhã (11h).

Após marcar a data e reunir toda a papelada, o casal encontra-se com o escrivão (Standesbeamter) que realizará o casamento para contar um pouco de sua história. Para tornar a cerimônia mais pessoal e mais bonita, ele resume a história do casal antes de começar com as formalidades. Dependendo do Standesamt, é possível colocar uma música ou de contratar um cantor. Nesse casamento que fomos, uma moça cantou e tocou teclado. O som estava tão bom que eu jurei que era um CD. Os noivos podem optar por fazer um pequeno discurso  durante a troca das alianças. Após o encerramento, eles recebem os cumprimentos dos convidados e geralmente oferecem um pequeno brinde (Sektempfang).

Noivos na cerimônia civil
Noivos na cerimônia civil

No caminho para a recepção, os convidados acompanham o carro dos noivos e fazem um buzinaço. Bem comum também entre a comunidade turca aqui em Berlim.

A celebração após a cerimônia varia de acordo com o gosto dos noivos. Pode ser um almoço em um restaurante, um pequeno buffet em uma locação ou até um grande piquenique no parque.

Cerimônia religiosa
O casamento religioso também costuma ocorrer de dia (entre 11h e 14h) A maioria das igrejas na Alemanha é protestante, por isso, mulheres também podem realizar a cerimônia. Além de marcar a data com bastante antecedência (pelo menos seis meses, pois no verão, a procura ainda é maior), marca-se também um encontro com o pastor para organizar detalhes como som,  passagens ou frases bíblicas sobre o amor. e os cantos – e os convidados também devem cantar. É preciso escolher entre duas a três canções que serão cantadas durante a cerimônia – músicas que não precisam necessariamente ser da igreja.

O pastor tocou violão, foi muito fofo.
O pastor tocou violão, foi muito fofo.

Não há espaço de destaque para padrinhos e madrinhas. Geralmente há um padrinho, que é um grande amigo do noivo. Eu escolhi minhas madrinhas, mas ela só sentaram na primeira fila (perdão, gurias). Isso, no Brasil, é bem mais legal. Quando mostro minhas fotos do casamento no Brasil, com sete casais de padrinhos, as pessoas acham engraçado aqui.

Por isso, não há cortejo na cerimônia. O noivo aguarda a noiva no altar. Ela entra na igreja levada pelo pai e era isso.

Acredito que é possível fazer diferente, mas como casei no Brasil e aqui, eu deixei a cerimônia daqui ser feita de acordo com o que foi sugerido pelo pastor e acordado pela família do meu marido.

No casamento religioso, os noivos sentam durante a cerimônia, em duas cadeiras colocadas em frente ao altar.

Após a cerimônia, os noivos recebem os cumprimentos dos convidados na frente da igreja. Logo após, os mais próximos se deslocam para a recepção também fazendo um buzinaço seguindo o carro dos noivos.

Como o casamento ocorre de dia, os convidados geralmente são recepcionados com um buffet para o almoço. E a celebração geralmente vai longe. Na metade da tarde serve-se o “Kaffee / Kuchen” (café com bolo) e, para os que ainda têm forças, pode haver um churrasco durante a noite e uma pista de dança. Prepare-se para um longo dia de festa e manere na bebida, pois os alemães têm mais resistência ao álcool do que nós e eles bebem bastante.

Tradições

Há diversas tradições, como prendas que os noivos devem pagar, feitas pelos “amigos”, vizinhos ou familiares do casal. Nesse que fomos, os noivos precisavam cortar juntos, dividindo uma tesoura, faixas de papel crepom. Isso representa os obstáculos no caminho.

"Cortando" os obstáculos juntos
“Cortando” os obstáculos juntos

Outra (que eu tive que passar), foi ter que sentar num carrinho de mão decorado com flores, com aquele vestido enorme, e ser levada pelo meu marido até a entrada da festa. Em cada pausa, o casal deveria se “abastecer” com uma dose de schnaps (qualquer destilado barato).

"Essa é a onda, essa é a onda do carrinho de mão... pá pá"
“Essa é a onda, essa é a onda do carrinho de mão… pá pá”

O mais difícil de todos, na minha opinião, é serrar um tronco de árvore. Cada um pega um lado do serrote para cortar um tronco e provar que vai superar as dificuldades juntos. Tudo bem, é algo simbólico que tem um significado bonito, mas às vezes, dependendo do tamanho do tronco, pode ser cruel. Como casamos no alto verão e fomos “presenteados” com um tronco gigante, meu marido suou tanto que teve de trocar a camisa. Comigo, foi a maquiagem e o cabelo que cederam antes do planejado. Mas tudo bem, é tradição e é super divertido para quem olha.

Prendinha...
Prendinha…

 

...prendão :(
…prendão :(

 

As crianças convidadas costumam trazer flores para a noiva. Isso é muito bonitinho.

Traje

Não tenho muita experiência em casamentos aqui ainda, mas como falei no começo. a festa é encarada com menos formalidade. Por isso, não se assuste se alguém aparecer de calça jeans ou até mesmo de chinelo. Na dúvida, pergunte aos noivos para evitar desconforto com roupas muito formais (ex. salto alto quando a festa será no campo, terno e gravata quando a cerimônia será um churrasco no parque). Nesse casamento que eu fui, nas montanhas, muitas pessoas estavam arrumadas na cerimônia, mas levaram roupas confortáveis (e digo, bermuda e chinelo mesmo), pois a celebração foi bem informal. Mas, novamente, isso depende muito do estilo dos noivos.

Não perca tempo com vestidos longos e saltos altos. Vestidos mais trabalhados ou de tecidos finos na altura do joelho são coringas. Para os homens, o figurino não varia muito. Calça e camisa social não dão chance para erros. Gravata também é opcional.

Presentes

Na hora de dar um presente, não esqueça do cartão, que é sempre legal para guardar de recordação. Ainda não soube de um casamento com lista de presentes em uma determinada loja. Geralmente os convidados trazem algo para a casa (um livro de receita, um pequeno jogo de louça, chocolates, etc.) ou presenteiam os noivos com dinheiro.

Espero que essas dicas sejam úteis. Insisto em repetir que essas são as impressões de quem não tem muita experiência no assunto, mas acredito que pode servir para se ter uma ideia sobre como é um casamento na Alemanha. Adoraria ouvir outras histórias nos comentários :)

Berlim recebe o festival Lollapalooza em 2015

O Berliner Zeitung publicou uma matéria ontem (04.11.2014) afirmando que Berlim entrará no roteiro dos grandes festivais de música com a vinda do Lollapalooza em 2015. Será a primeira edição europeia do festival norte-americano.  Em setembro do ano que vem o evento trará ícones da música pop no pátio do antigo aeroporto Tempelhof, que já sediou o Berlin Festival.

Will Rice
Foto: Will Rice – Press Lollapalooza

O jornal compara o Lollapalooza com outros festivais importantes que ocorrem pela Alemanha, como o Rock am Ring e o Hurricane, e diz que é a primeira vez que a cidade recebe um evento musical de tamanha proporção. Legal.

Eu já fui tanto no Rock am Ring, no Hurricane e no Berlin Festival. A vantagem de ter um festival dentro da cidade é não precisar acampar e dormir ensopada na chuva. Mas o Tempelhof realmente é pequeno em comparação com a estrutura do terreno dos dois primeiros. E como fica numa zona residencial, é preciso respeitar as horas de silêncio. Os shows da edição de 2012 do Berlin Festival não foram muito além da 1h da manhã. Para não mandar todo o mundo embora, eles fizeram então uma silent party, em que cada um dançava com fones de ouvido.

Ainda é preciso esperar pela lista de bandas que se apresentam no Lollapalooza nos dias 12 e 13 de setembro de 2015, de acordo com o Berliner Zeitung.   Por outro lado, sobra tempo para se organizar e garantir a viagem para Berlim.

 

Fronteira de Luz – 7 a 9 de novembro

O dia 9 de novembro marca os 25 anos da queda do Muro de Berlim, principal símbolo da Guerra Fria, que dividiu  o mundo entre duas ideologias e as histórias de milhares de pessoas, amigos, amores, familiares que, de uma hora para outra, foram separadas por um muro de concreto.

- Foto Daniel Bueche
Spreeufer – Foto: Daniel Bueche – DVG Kulturprojekte Berlin WHITEvoid

A queda do muro desde então é comemorada como  um momento histórico de paz e união. Este ano, o 25o. aniversário será celebrado com a “reconstrução” do muro. Entre os dias 7 e 9 de novembro, oito mil de balões iluminados serão posicionados em trechos onde muro foi erguido. A instalação Lichtgrenze (Fronteira de Luz), dos artistas Christoph Bauder e Marc Bauder, representa o “símbolo da esperança por um mundo sem muros”. Cada balão terá um testemunho pessoal sobre a Revolução Pacífica de 1989. Para mandar a sua mensagem, basta incluir as hashtags #fallofthewall25 ou #fotw25 no  Facebook, Instagram ou Twitter, ou acessar a página do evento.

Foto: Daniel Bueche - DVG Kulturprojekte Berlin WHITEvoid
Checkpoint Charlie – Foto: Daniel Bueche – DVG Kulturprojekte Berlin WHITEvoid

No anoitecer do dia 9, as próprias testemunhas, crianças, artistas e cantores irão fixar as várias mensagens nos balões que, em seguida, serão lançados ao céu. O evento será transmitido ao vivo pelo canal Das Erste.

Unbenannt
DVG Kulturprojekte Berlin WHITEvoid

 

Quem estiver em Berlim pode conferir a celebração pelos arredores da cidade (Böse-Brücke / Bornholmer Straße, Mauer-park, Gedenkstätte Bernauer Straße, Potsdamer Platz, Checkpoint Charlie, East-Side-Gallery / O2-World) ou ir até o Portão de Brandemburgo às 19h, onde a orquestra da Staatskapelle Berlin tocará a parte final da 9a. sinfonia de Beethoven, “Ode an die Freude” (Ode à alegria).

Festival of Lights – Berlim iluminada

Até o dia 19.10.2014 Berlim ganha um brilho especial durante a noite em suas principais obras arquitetônicas com o Festival of Lights. Um presente para quem mora ou visita a cidade, um motivo para sair pra rua durante a noite e, o melhor de tudo,  kostenlos, de graça.

Ontem, sábado, fomos atrás das luzes em Mitte. No roteiro, comecei pela Berliner Dom, passando pelo Palais am Festgraben, Hotel de Rome, Humboldt Universität, Konzerthaus, Brandenburger Tor e terminando em Potsdamer Platz. Como a noite não estava fria, muita gente circulou pelas ruas com câmeras em punho pra registrar as projeções que vestiram as construções pelos arredores da Unter den Linden. Muito legal mesmo.

Agora, o que interessa, as fotos!

Berliner Dom
Berliner Dom
Flores...
Flores…
...cores
…cores
E amor em todas as línguas.
E amor em todas as línguas.
Palais am Festungsgrabe
Palais am Festungsgrabe
20141011_203753_LLS
Humboldt Universität – na minha opinião, o prédio mais bacana
Uni e o Hotel de Rome à esquerda.
Uni e o Hotel de Rome à esquerda.
Lembrei de uma propaganda antiga da Coca de uns elefantinhos nadando. Um amor.
Lembrei de uma propaganda antiga da Coca de um elefantinho nadando. Um amor. Quem mais lembra?
A noite agradável, sem frio, convidou todo mundo para sair de casa.
A noite agradável, sem frio, convidou todo mundo para sair de casa
Além das imagens, música clássica pra acompanhar. Nada mais apropriado para a Konzerthaus
Além das imagens, música clássica pra acompanhar. Nada mais apropriado para a Konzerthaus
Brandenburgerr Tor - o mais esperado
Brandenburger Tor – o mais esperado
Em Novembro, vai ter mais festa no portão com os 25 anos da queda do muro.
Em Novembro, vai ter mais festa no portão com os 25 anos da queda do muro.
Potsdamer Platz
Potsdamer Platz – a vida acontecendo em Berlim
A iluminação normal da estação contribui para o show
A iluminação normal da estação contribui para o show de luzes
Vinho e cervejinha to go!
Vinho e cervejinha to go!

 

Grande noite de outono. Que venham várias outras!