Arquivo da tag: Gastronomia

Prontos para o fim de ano em Berlim?

Mid-November, dias terminando às 16h, ruas enfeitadas, mercados de Natal e até “black Friday” abriram essa semana a temporada de fim de ano em Berlim.

Na Friedrichstr. também tem um mercado de Natal
Na Friedrichstr. também tem um mercado de Natal

O tempo semana passada foi um belo exemplo que faz muita gente temer a vida na Alemanha. Mas de vez em quando o céu nos presenteia com belas paisagens no amanhecer, como a da foto em destaque. Mas pra curtir a mistura de rosa, laranja e azul é preciso madrugar.

Berlim está pronta pro inverno e pro final de ano. Quem vem nas próximas semanas deve se preparar para o frio. Hoje, a máxima não passou de 3oC.

No final de semana os raios de sol do meio-dia fizeram muita gente sair de casa pra tirar o mofo. Nós fomos passear no caminho do Muro de Berlin (Berliner Mauerweg) que começa nos arredores bifurcação da Bornholmer Str. e vai até o Mauerpark em Prenzlauer Berg. O caminho ali é dividido entre ciclistas, cães, atletas de final de semana e pais com seus bebês (eu). Como é muito frio pra ir no parque, o jeito é levar os filhos num Eltern-Kind Café, onde, como diz o nome, pais podem tomar um café, comer alguma coisa e deixar as crianças soltas para brincar. Alguns possuem inclusive piscina de bolinhas, livros e um monte de brinquedos. É uma alternativa para evitar olhares tortos de outros clientes e para os bebês ficarem soltos sem que a gente tenha que correr atrás o tempo todo – por isso, no final de semana, às vezes é preciso fazer reserva porque bomba. Ainda vou fazer um post só sobre isso.

Berliner Mauerweg: passeio na domingueira
Berliner Mauerweg: passeio na domingueira

Como tive que resolver várias coisas pra garantir um passagem de ano tranquila, registrei algumas paisagens bonitas da cidade. Dá uma olhada:

Spree, Torre da TV e Ilha da Museus vistas da Friedrichstr.
Spree, Torre da TV e Ilha da Museus vistas da Friedrichstr.
img_9035
Spree e Torre da TV dessa vez pelos arredores de Jannowitzbrücke

E como ninguém vive só de paisagens, também temos nosso lado foodie. Fui matar as saudades do Dada Falafel – fast food “slow” e cult em Oranienburger Tor e do Wonderpots, na frente do Grimm Zentrum. Recomendo muito!

Dada Teller: um pouco de cada especialidade da casa por 8 Euros.
Dada Teller: um pouco de cada especialidade da casa por 8 Euros.
Frozen yogurt from heaven <3
Frozen yogurt from heaven <3

 

Wilco em Berlim (e as novidades de novembro)

Que semana, senhores.

Teve show do Wilco, uma triste surpresa nos Estados Unidos, uma despedida e um reencontro feliz com uma amiga da vida.

Na segunda-feira dia 7, depois de um ano com o ingresso na mão e sete anos de espera, fui prestigiar uma das bandas que eu mais amo. Wilco finalmente voltou a Berlim depois de sua apresentação em 2009. Assim que eu fiquei sabendo do show, em novembro de 2015, comprei nossos ingressos e esperei pacientemente por esse dia.

O show foi no Tempodrom e os lugares eram marcados. A casa estava cheia. Confesso que esse foi o primeiro show “adulto” que eu fui, em que a faixa etária variava entre late 30’s – middle 50’s. Fiquei feliz por ter garantido minha camisetinha e sair orgulhosa por ai exibindo minha admiração pela banda.

Camisetinha do Wilco. Iuhuuu!
Camisetinha adquirida no show do Wilco em Berlim. Iuhuuu!

Ir em shows na Alemanha pode ser uma experiência opressiva pois – geralmente – os alemães vão aos eventos para ver e ouvir as bandas, não para cantar junto. Eu, com meu sangue latino misturado ao meu amor pela banda, tive que bravamente me conter pra não sair berrando e me retorcendo naquela misera cadeirinha. Mas, quando Jeff Tweedy começou a cantar “I am trying to break your heart”, alguns poucos gatos pingados se levantaram e ficaram no meio do corredor entre os blocos de cadeiras. Senti aquele raio de esperança e saí atropelando as cadeiras da minha frente (enloquecendo meus vizinhos) e fui. Fiquei a uma cabeça da banda.

Jeff Tweedy e seus colegas não conseguiram esconder nem a surpresa, nem a alegria em ver aqueles (muitos) gatos pingados curtindo o show em pé. “Fico feliz em ver vocês aqui, mas acho que vocês têm de sentar”, disse. Mas não adiantou. Ficamos o show inteiro ali. E mesmo estando ao lado dos fãs provavelmente mais caloroso do evento, eu ainda era uma das mais eufóricas. Sorte que havia dois caras espanhóis ao meu lado tão empolgados como eu. Ai meus surtos de alegria não se dispersaram sozinhos no ar. Nem na hora dos solos, como em “Impossible Germany”, uma das músicas mais importantes da trilha sonora da minha vida.

Jeff Tweedy é um querido e fez um super show com seus colegas do Wilco
Jeff Tweedy é um querido e fez um super show com seus colegas do Wilco

Apesar da alegria e disposição da banda, Jeff estava nervoso. Não em função do público berlinense, mas pelo que estava por vir em terras americanas no dia seguinte. Mas não teve jeito e Trump venceu. Eu sinto muito por eles e por todos que não acreditam que uma bizarrice dessas seria capaz de acontecer. No sábado, várias pessoas se reuniram no portão de Brandemburgo para protestar contra a eleição desse “gestor” que nada entende de gente, de meio ambiente, de mulher, de futuro, etc.

Mas a vida tem que continuar. No dia seguinte, vi que um dos perfis do Instagram mais populares de Berlim, o Notes of Berlin, publicou uma foto que eu mandei pra eles há cerca de um ano. Fique surpresa e feliz ao ver que mais de duas mil pessoas curtiram a nota escrita na frente de um bar aqui do lado da minha casa: “Aqui poderia estar escrita uma citação de um famoso pensador ou filósofo, que poderia te iluminar, mas não mudar nada no momento. Por isso, entre e tome alguma coisa.” Foi um prazer :)

Notes of Berlin e deBerlim :)
Notes of Berlin e deBerlim :)

A semana ainda foi de despedidas, pois estou mudando de empresa. Foi um tempo de muito aprendizado, mas agora é hora de fazer algo mais feliz. Mais novidades em breve.

Aí para fechar a semana, recebi minha grande amiga e cidadã honorária da Alemanha Marina Smith. Como sempre,  o final de semana foi repleto de boa gastronomia e muito vinho branco:

img_8895
Late lunch no Hard Rock Café, em Kudamm
Schokoloco da Princess Cheesecake, em Mitte
Schokoloco da Princess Cheesecake, em Mitte
img_8902
Quartel general da Deutsche Bahn, no Sony Center no sábado de noite
Primeiro Glühwein da temporada de inverno 2016/2017 em Potsdamer Platz
Primeiro Glühwein da temporada de inverno 2016/2017 em Potsdamer Platz

Boa semana pra vocês.

 

Nos arredores de Prenzlauer Berg

Falem o que quiser sobre Kreuzberg e Neukölln, mas o meu bairro preferido foi e continua sendo Prenzlauer Berg, no nordeste da cidade. Ainda lamento a saída de casas noturnas legais, como o Magnet e o White Trash, das redondezas em função da invasão de novas famílias, mas a diversidade de restaurantes, lojas, mercadinhos e alguns bares espalhados pelas ruas arborizadas torna o bairro sempre convidativo para se visitar. Como Pankow é do lado, tenho sorte de estar com frequência por ali.

Depois de ter visto à algum tempo uma recomendação em um desses instafoodies de Berlim, fui conferir a pizza da Zia Maria na Pappelalle. As pizzas são vendidas em pedaços, mas feitas na hora (não apenas aquecidas, como em muitas dessas pizzarias to go). Há uma boa variedade de cervejas, que podem ser degustadas na pequena salinha com mesas na parte interna, ou na rua, nas mesas de madeira estilo biergarten. Com os dias mais longos, casais, amigas, pais jovens e seus filhos nas bicicletinhas sem pedal dividem os bancos para curtir uma pizza de massa fininha e absurdamente gostosa. Depois que eu provei, virou minha pizza preferida.

Pizza e bira na Zia Maria. A fatia sai por cerca de 3 Euros
Pizza e bira na Zia Maria. A fatia sai por cerca de 3 Euros

Como não há refeição sem sobremesa, basta pegar a Stargarderstr. em direção à Schönhauser Allee para ver o burburinho de gente na calçada. Eles, ali, estão curtindo um sorvete da Hokey Pokey, sorveteria xodó da vizinhança. As composições elaboradas dos sorvetes, como doce de leite com banana, maçã com alecrim, pistache e chocolate francês – além da bela decoração do lugar, enchem os olhos de quem passa. O preço da bola é um pouco mais caro do que as outras sorveterias, 1, 60 Euro. Mas quem ama sorvete não se importa em pagar mais. Agora com a primavera, a loja fica aberta até às 22h.

Sempre igual, sempre diferente: uma bola de chocolate, outra de tiramisú.
Sempre igual, sempre diferente: uma bola de chocolate, outra de tiramisú.

Nos domingos entre às 11h e 17h, o Kulturbrauerei organiza um street food market, em que food trucks se juntam para vender quitutes para apreciar a ceu aberto. Uma diversidade de hambúrgueres, empanadas, tortas salgadas, massas, crepes e até água de coco made in Asia são vendidos. Um dos petiscos mais pedidos é a batata doce frita com molho agridoce ou de ervas com limão. Bom demais.

Slow food para curtir na rua
Slow food para curtir na rua
Vai uma água de coco?
Vai uma água de coco?
Street food market no Kulturbrauerei
Street food market no Kulturbrauerei

A Semana em Berlim

Ando em dívida com as novidades de Berlim. Vou tentar a partir de agora manter um post semanal sobre as aventuras, novidades e descobertas nas minhas caminhadas pela cidade.

Minha semana em Berlim teve eclipse, comida japonesa quente num lugar super bacana e um pulinho em Stettin (Polônia) com direito à uma orgia alimentar.

House of small wonder

Do Brooklyn para Berlim
Do Brooklyn para Berlim

A casa das pequenas maravilhas é uma mistura de bistrô nova-iorquino com café oriental hipster.  Original do Brooklyn, o café abriu uma filial em Berlim no ano passado na Johannisstr. 2, em Mitte, ao lado da Rocket Internet, uma incubadora de start-ups.

Japanese curry, meio caro, mas muito gostoso. Destaque para a limonada com hortelã, uma delícia.
Japanese curry, meio caro, mas muito gostoso. Destaque para a limonada com hortelã, uma delícia.

A especialidade da casa é o café da manhã, com cereais e frutas, croissants franceses e sanduíches, mas há um pequeno menu com comidas quentes ao meio-dia. A minha escolha foi o japanse curry, com arroz, legumes e filé de porco ao molho cremoso de curry escuro. Pra beber, limonada com hortelã, como um mojito sem álcool.

Detalhe da decoração
Detalhe da decoração

 

 

O lugar é todo envidraçado, com uma mistura de decoração rústica (muita madeira e plantas), com bancos e mesas altas que lembram um diner – mas muito mais sofisticado. Só o preço fica um pouco a desejar, 10 Euros o prato, o que é um tanto salgado para o bolso de quem tem que comer fora todos os dias. Mas o lugar é bonito demais e vale muito a visita. Pena que só mesmo durante o dia, pois a casa das pequenas maravilhas funciona de segunda à sexta das 9h às 15h e no final de semana das 10h às 16h.

Eclipse?

A torre da tv, o sol e os curiosos.
A torre da tv, o sol e os curiosos.

Na sexta-feira, às 10h48min, esperou-se uma grande escuridão. Minutos antes, quem pode se apertou nos terraços para ver o fenômeno. Alguns se organizaram e trouxeram filtros para observar o sol. Outros, como eu, nem tanto. Pra não arriscar prejudicar a visão, tentei fazer uma foto do sol sem encará-lo e confesso que não percebi diferença nenhuma de um dia ensolarado normal.

Stettin, Polônia

Old Town em Stettin
Old Town em Stettin

Na sexta-feira, pegamos um trem e fomos para Stettin, uma pequena cidade na beira do Oder, cerca de duas horas de Berlim de trem. O objetivo era curtir um hotel, comer bem e caminhar por ruas diferentes. O tempo infelizmente não ajudou e fez que nosso sightseeing terminasse numa pista de boliche e num fliperama. Ainda assim, absurdamente divertido.

Medieval porém aconchegante
Medieval porém aconchegante
Filé com borda de bacon (e eu nem gosto de bacon. mas deu de 10x0 em todos os filés que já comi na Alemanha)
Filé com borda de bacon (e eu nem gosto de bacon. mas deu de 10×0 em todos os filés que já comi na Alemanha)

Stettin tem um toque muito medieval. Há vários restaurantes antigos cujas casas são feitas de pedra e as instalações todas de madeira escura. O restaurante Karczma Pod Kogutem é um bom exemplo com uma comida excelente, bom atendimento e bem barato. Recomendo muito. Há também uma boa variedade de cervejas.

 

 

 

De volta em Berlim, o sol deu as caras mas não forte o bastante para correr com o frio. Chegamos perto das 17h e fomos até o Burger Park tentar, em vão,  carregar as reservas de vitamina D. Como consolo, demos um pulinho no biergarten e tomamos uma cerveja sem álcool para começar a semana 100%.

Sabor top, zero ressaca.
Sabor top, zero ressaca.

Boa semana pra todos :)

Sabores de Berlim: a cozinha multicultural de Sabine Hueck

Nessa semana, fomos convidados a participar de uma aula de culinária e jantar com a chef brasileira/berlinense Sabine Hueck a convite do VisitBerlin.

Um time de jornalistas e blogueiros veio do Brasil para conhecer o lado mais legal da cidade, que não tem muito a ver com os pontos turísticos tradicionais. Eles também descobriram que a gastronomia berlinense tem mais do que o currywurst pra oferecer.

Nos últimos dois anos, a cultura da street e slow food estourou na cidade. Isso reflete na popularidade das feiras e eventos gastronômicos como o Street Food Thursday  do Markthalle 9 e o Food Night do Neue Heimat, que oferecem a oportunidade a chefs e pequenos restaurantes a apresentar suas criações para um grande público. E como comer pode ser mais do que uma necessidade, mas um grande prazer, os berlinenses aprovaram a ideia e transformaram essas visitas em uma opção de lazer. Quem está a passeio e sabe dessa novidade aproveita para conhecer sabores e criações elaboradas de todos os cantos do mundo num ambiente simples, aconchegante e descontraído. Um novo país e um sabor estão a uma banca de distância.

 

A riqueza da cozinha brasileira também faz parte desse melting pot. Quando combinada com características berlinenses, resulta num equilíbrio e mistura de sabores incríveis, como Sabine nos mostrou no seu recém inaugurado espaço gastronômico, onde é possível participar de um curso de culinária, aproveitar um jantar preparado por ela e sua equipe na cozinha, ou os dois, como ocorreu na última quarta.

A chefe Sabine Hueck
A chefe Sabine Hueck

Sabine tem origens austríacas, que também influenciam na sua cozinha, e uma extensa bagagem multicultural, com experiência em Nova York, Bangkok, Peru, Bolívia e Munique.  Há 28 anos em Berlim, a paulistana trabalhou como consultora e professora em escolas de culinária e inaugurou há pouco seu espaço em Schöneberg.

Sala de jantar de Sabine Hueck
Sala de jantar de Sabine Hueck

Depois das apresentações, foi hora de preparar o jantar, composto por entrada, dois pratos principais e sobremesa, acompanhados de vinhos e espumantes da região. Os principais produtos que Sabine utiliza são fornecidos por produtores das redondezas de Berlim, não apenas para incentivar o consumo sustentável, mas para garantir o frescor e a qualidade dos pratos.

Turma de jornalistas cozinhando com a chef Sabine Hueck
Turma de jornalistas cozinhando com a chef Sabine Hueck

O menu da noite foi composto pelos seguintes pratos:

Aperitivo: Almôndega de camarão e couve-rábano com molho de pimenta

Entrada: Sopa espumante de ervilha – Capim Cidreira

Primeiro prato: Truta sobre cama de legumes grelhados e manteiga de amêndoas

Pena que só tirei foto da truta com legumes. A manteiga de amêndoas deu um toque incrível ao prato.
Pena que só tirei foto da truta com legumes. A manteiga de amêndoas deu um toque incrível ao prato.

Segundo prato: Peito de pato com molho de maracujá com repolho roxo e purê de raízes

Sobremesa: Mousse de limão gelado

Diversas delícias doces além do mousse de limão gelado
Diversas delícias doces além do mousse de limão gelado

 

Além de poder saborear a  janta temos a oportunidade de repetir o menu em casa, pois Sabine preparou uma pastinha com todas as receitas. Quem quiser fazer um curso ou apreciar um jantar incrível, basta contatar a chef Sabine Hueck aqui.

Ficou com água na boca? Então venha para Berlim, faça conosco um roteiro gastronômico e garanta uma grande experiência gastronômica com sabores surpreendentes.